Loading...
Blog
  • Main page

Mitos e CUIDADOS sobre SUPLEMENTAÇÃO alimentar

12.01.2017

Homens e mulheres desejam o corpo perfeito, com músculos vantajosos e barriga sarada, quem está acima do peso quer emagrecer, ou vice-versa, para no final chegar ao mesmo objetivo. O ciclo não muda. Não há nada de errado em querer ter o corpo em dia, só não se pode esquecer de conseguir tal feito de maneira saudável, sem colocar a saúde em risco.

O problema é  pensar que para alcançar o objetivo desejado basta pegar pesado no treino e se entupir de qualquer suplementação, só porque um amigo cheio de músculos faz e diz que dá certo. Ai que mora o perigo, o ganho de massa muscular é um processo lento e gradativo, não existe uma receita mágica. Requer disciplina e orientação de quem realmente sabe.

O suplemento pode ser encontrado em cápsula, pó e líquido em qualquer farmácia e não necessita de receita médica. Existe uma imensa variedade  no mercado, mas tome o cuidado em saber se é aprovado ou não pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), é o mínimo . Um MITO é achar que ingeri-lo está relacionado ao crescimento rápido dos músculos, o que não existe, como o próprio nome já diz é um suplemento à alimentação que você deve ter para alcançar tal meta.

A suplementação pode sim ser utilizada por qualquer pessoa para auxiliar na hipertrofia, claro. Não é crime e nem errado. Mas, geralmente é indicada para aqueles que têm dificuldade de absorção de determinados nutrientes ou que não tem tempo de regrar totalmente a alimentação. Entretanto a preocupação está no uso indiscriminado dos suplementos que vem acompanhado de graves riscos a saúde.

O uso excessivo pode acarretar em sobrecarga renal, desiquilíbrio metabólico, intoxicação hepática, aumento de processo inflamatório, até lesão muscular, porque aumenta a disposição e treinamos mais do que o corpo aguenta. Dentre vários outros problemas. Antes de iniciar qualquer suplementação procure o nutricionista para tomar o adequado ao seu treino e ao seu organismo.

 

 

author: ma.gabrielasouza

Jornalista- Centro Universitário 7 de Setembro

Comment
0

Leave a reply