Loading...
Blog
  • Main page

Calcular Taxa Metabólica Basal: Calculadora TMB online

By admin 0
03.04.2014

Existem diversos e diferentes métodos para calcular a quantidade de calorias diárias recomendadas para cada pessoa, mesmo na atualidade, um dos grandes desafios da nutrição médica, não existindo um método 100% exato. Em conseqüência, deverão ser considerados como aproximações para estabelecer uma rotina que será aos poucos ajustada conforme o decorrer do planning nutricional a 1, 3, 6 e 12 meses. Contudo, é necessário salientar mais uma vez que:

a avaliação do balanço energético representa um capítulo importante e desafiador da ciência da nutrição.

Vamos explicar os pontos principais deste conhecido debate nutricional no que pode ser considerada como uma revisão bibliográfica das metodologias de estimativa das necessidades e consumo de energia para adultos. Logicamente é sempre o cabeçalho de qualquer aplicação ou prescrição dietética pois serve para estabelecer a promoção do equilíbrio do estado nutricional e, a partir dai, desenhar um plano de manutenção, perca ou ganho segundo as necessidades ou vontades do indivíduo tratado.

Conceitos

Como já definiu SARTORELLI “a energia necessária para manter as atividades diárias de um indivíduo é composta de gasto energético basal, o gasto energético da atividade física e o efeito térmico do alimento”. Por tanto, essas variables deverão ser consideradas e determinadas a priori. Dois conceitos surgem a partir desta realidade:

  • GER ou TMR (Gasto Energético em Repouso ou Taxa Metabólica de Repouso):  Equivalente ao 60-75% das necessidades energéticas diárias de um indivíduo para a manutenção dos sistemas vitais básicos.
  • GEB ou TMB  (Gasto Energético Basal ou Taxa Metabólica Basal): Equivalente ao GER ou TMR + gasto energético diário compreendendo atividades físicas realizas + efeito térmico ingestão alimentos, sendo aproximadamente um 10 % maior ao GER ou TMR (AVESANI et al., 2005).

Metodología e historia

A aplicação e estúdio da calorimetria direta e indireta para a determinação do gasto energético basal iniciaram-se no século XVIII com Antoine Laurent Lavoisier, continuando no século XIX com a invenção de vários calorímetros e câmaras respiratórias até chegar no ano 1919 quando Francis G. Benedict desenvolveu um aparelho próprio para uso hospitalar e juntamente com J. Arthur Harris publicou um estudo descrevendo a taxa metabólica basal a partir de sofisticadas técnicas estatísticas. O resultado foi a implantação amplamente reconhecida de um sistema de equações de predição da taxa metabólica basal em crianças, homens e mulheres que é usado até hoje porém com inexatidões provadas como já comentado no inicio da matéria.

Entre os dois principais métodos de calorimetria o indireto é o mais viável precisando simplesmente da medida da oxidação de substratos orgânicos acompanhada pelo consumo de oxigênio e produção de gás carbônico e água (MARCHINI et al., 2005). Neste principio de calorimetria indireta se assume que todo o oxigênio consumido é utilizado para oxidar substratos energéticos e todo o gás carbônico liberado vem da respiração permitindo o cálculo da energia produzida total.

Como esses dados recolhidos, a equação mais utilizada para estimar a produção de energia em repouso é conhecida como a equação simplificada de Weir (1949):

PE (Kcal/dia) = 3,9 x VO2 (L/min) + 1,1 x VCO2 (L/min) x 1.440

Sabendo isso, no mundo real, nem todos os praticantes de esporte tem acesso a avaliação de um nutricionista nesta nossa realidade brasileira onde saúde não é um direito e sim mais um serviço de luxo. É por tanto nosso dever, fornecer informações alternativas e válidas acerca de outro métodos que, embora não sejam tão precisos quanto (alias como dito… nenhum é) podem ajudar a conseguir uma primeira aproximação ao necessário TMB para ir ajustando ele de forma crónica.

Equações de Henry e Rees (1991)

Aproximação do GER levando em conta faixa etária, gênero e massa corporal.

Idades 3 – 10

Masculino 0,113(MC) + 1,689 x 239
Feminino 0,063(MC) + 2,466 x 239

Idades 10 – 18

Masculino 0,084(MC) + 2,122 x 239
Feminino 0,047(MC) + 2,951 x 239

Idades 18 – 30

Masculino 0,056(MC) + 2,800 x 239
Feminino 0,048(MC) + 2,562 x 239

30 – 60

Masculino 0,046(MC) + 3,160 x 239
Feminino 0,048(MC) + 2,448 x 239

Como funciona o método Harris-Benedict 

Antes de começar cabe dizer… again, que vem sendo comprovada uma certa superestimativa do GER das equações Harris-Benedict frente aos resultados mais apurados de Weir (GOTTSCHALL et al. (2004).

Mesmo assim o método Harris-Benedict é considerado e utilizado por nutricionistas ainda hoje devido a que os reconhecidos métodos padrão ouro como a calorimetria indireta e a água duplamente marcada tem um custo elevado e consequentemente baixa acessibilidade a população em geral. Essa triste realidade justifica profundamente a elaboração de equações de predição como a que estamos a explicar.

Este método utiliza uma grande quantidade de parâmetros para calcular o TMB ou GEB, conseguindo uma aproximação discutivelmente aceitável.

Baseia-se em cinco parâmetros: Sexo, Altura, Peso, Idade e Atividade Física.

A equação proposta funcionaria da seguinte forma:

TMB Mulher = 655 + (9,6 * Peso) + (1,8 * Altura CM) – (4,7 * Idade)
TMB Homem = 66 + (13,7 * Peso) + (5 * Altura CM) – (6,8 * Idade)

Calculada a Taxa Metabólica Basal que corresponderia a um valor em que você está totalmente no repouso por todas as 24 horas e em jejum por pelo menos 12 horas, o método Harris-Benedict propôe uma adaptação final a esse resultado levando em conta a sua taxa de atividade. Essa ultima operação resultaria da multiplicação do TMB em repouso pelo valor correspondente ao seu perfil de atividade:

  • Sedentários = 1.2 (pouco ou nenhum exercício)
  • Levemente ativos = 1.375 (exercício leve 1 a 3 dias por semana)
  • Moderadamente ativos = 1.65 (exercício moderado, faz esportes 3 a 5 dias por semana)
  • Altamente ativos = 1.725 (exercício pesado de 5 a 6 dias por semana)
  • Extremamente ativos = 1.9 (exercício pesado diariamente e até 2 vezes por dia)

 






cm


anos






Para saber mais sobre o assunto, vejam mais sobre como calcular a taxa metabolica basal no site metodophysique.com… Bons treinos!!

Bibliografia consultada

AMORIM, L.C.A. Os biomarcadores e sua aplicação na avaliação da exposição aos agentes químicos ambientais. Rev Bras Epidemiol 2003; 6(2): 158-170.

ANJOS, L.A., SOUZA, D.R., ROSSATO, S.L. Desafios na medição quantitativa da ingestão alimentar em estudos populacionais. Rev Nutr 2009; 22(1): 151-161.

AVESANI, C.M., SANTOS, N.S.J., CUPPARI, L. Necessidades e recomendações de energia. In: Cuppari L – Nutrição Clínica no adulto. Ed. 2. São Paulo: Manole; 2005. P. 33-50.

BAZANELLI, A.P., et al. (2010). Underreporting of energy intake in peritoneal dialysis patients. Journal of Renal Nutrition, Vol. 20, No. 4, pp. 263-269, ISSN 1051-2276.

BELLISLE, F. The doubly- labeled water method and food intake surveys: a confrontation. Rev Nutr 2001; 14(2): 125-133.

BLACK, A.E., et al. Critical evaluation of energy intake data using fundamental principles of energy intake physiology: 2. Evaluating the results of published surveys. Eur J Clin Nutr 1991; 45(12): 583-599.

BOSSAN, F.M., ANJOS, L.A., VASCONCELLOS, M.T.L., WAHRLICH, V. Nutritional status of the adult population in Niterói, Rio de Janeiro, Brazil: the nutrition, physical activity, and health survey. Cad Saúde Públ 2007; 23(8): 1867-1876.

BURSZTEIN, S., SAPHAR, P., SINGER, P., ELWYN, D.H. A mathematical analysis of indirect calorimetry measurements in acutely ill patients. Am J Clin Nutr 1989; 50: 227-230.

BUZZARD, M. 24-hours dietary recall and food record methods. In: Willett WC. Nutritional Epidemiology. 2nd.ed. Oxford: Oxford University Press; 1998. p.50-73.

CARVALHO, F., ANDRADE, B., GOULART, D., SILVA, E., MARQUES, M., Métodos de avaliação de necessidades nutricionais e consumo de energia em humanos. Rev. Simbio-Logias, V.5, n.7, Dez/2012.

CAVALCANTE, A.A.M., PRIORE, S.E., FRANCESCHINI, S.C.C. Estudos de consumo alimentar: aspectos metodológicos gerais e o seu emprego na avaliação de crianças e adolescentes. Rev Bras Saúde Matern Infant 2004; 4(3): 229-240.

CLARO, R. M. A influência da renda e preços dos alimentos sobre a participação de frutas, legumes e verduras no consumo alimentar das famílias do município de São Paulo. [tese]. São Paulo: Faculdade de Saúde Publica da Universidade de São Paulo; 2006.

CLARO, R.M., CARMO, H.C.E., MACHADO, F.M.S., MONTEIRO, C.A. Renda, preço dos alimentos e participação de frutas e hortaliças na dieta. Rev Saúde Públ 2007; 41(4): 557-564.

CRUZ, C.M., ANJOS, L.A. Análise computacional de macronutrientes e energia de dietas de universitárias. Resumos do 5º Congresso Nacional da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição. São Paulo, 1999. p.115.

DIENER, J.R.C.. Calorimetria indireta. Rev Ass Med Brasil 1997; 43(3): 245-253.

DURNIN, J.V.G.AA, PASSMORE, R., 1967. Energy, Work, and Leisure. 1s t Ed. London: Heinemann Educational Bo o k s. apud Wahrlich, V.; Dos Anjos, A. Aspectos históricos e metodológicos da medição e estimativa da taxa metabólica basal: uma revisão da literatura. Caderno de Saúde Públ 2001; 17(4): 801-817.

ELWYN, D.H., KINNEY, J.M., ASKANAZI, J. Energy expenditure in surgical patients. Surg Clin North Am. 1981, 61: 545-56.

FISBERG, R.M., STALER, B., MARCHIONI, D.M.L., MARTINI, L.A. Inquéritos Alimentares: métodos e bases científicas. Barueri: Manole, 2005. 334p.

Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (IBGE). Pesquisa de Orçamentos Familiares – POF 2002-2003. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em 19/01/2011.

GORIS, A.H.C., WESTERTERP-PLANTENGA, M.S., WESTERTERP, K.R. Undereating and underrecording of habitual food intake in obese men: selective underreporting of fat intake. Am J Clin Nutr., v. 71, n. 1, p. 130-134, 2000.

GIBSON, R.S. Principles of nutritional assessment. 2nd ed. New York: Oxford University Press; 2005.

GOTTSCHALL, C.B.A., et al. Avaliação nutricional de pacientes com cirrose pelo vírus da hepatite C: a aplicação da calorimetria indireta. Arq Gastroenterol 2004; 41(4): 220-224.

HARRIS, J.A., BENEDICT, F.G.A. Biometric Study of Human Basal Metabolism. PNAS Physiology 1918; 4: 370-373.

HARRIS., J.A., BENEDICT, F.G. A Biometric Study of Basal Metabolism in Man. Boston: Carnegie Institution of Washington, 1919.

HENRY, C.J.K. RESS, D.G. New predictive equations for the estimation of basal metabolic rate in tropical peoples. Eur J Clin Nutr 1991; 45: 177-185.

HEITMANN, B.L., LISSNER, L., OSLER, M. Do we eat less fat or just report so? Int J Obes Relat Metab Disord 2000; 24(4): 435-442.

HIRVONEN, T., MANNISTO, S., ROOS, E., PIETINEN, P. Increasing prevalence of underreporting does not necessarily distort dietary surveys. Eur J Clin Nutr 1997; 51(5): 297-301.

ILSI BRASIL – International Life Sciences Institute do Brasil. Usos e aplicações das “Dietary Reference Intakes” DRI’s. São Paulo, SP. Nov, 2001.

IOM/ Food and Nutrition Board. Dietary Reference Intakes for Energy, Carbohydrate, Fiber, Fat, Fatty Acids, Cholesterol, Protein, and Amino Acids (Macronutrients). The National Academies Press, 2002. 5:107-264.

IOM – Institute of Medicine. Dietary Reference Intakes: Applications in Dietary assessment. Washington,D.C.: National Academy Press, 2000.

JAMES, W.P.T., SCHOFIEDL, E. Human Energy Requirment. A Manual for Planners and Nutritionists. Oxford: Oxford University Press. 1990.

KANT, A. K. Nature of dietary reporting by adults in the third National Health and Nutrition Examination Survey, 1988-1994. J Am Col of Nutr 2002; 21(4): 315-327.

KORTZINGER, I., BIERWAG, A., MAST, M., MULLER, M.J. Dietary underreporting: validity of dietary measurements of energy intake using a 4-day dietary record and a diet history in non-obese subjects. Ann Nutr Metab 1997; 41(1): 37-44.

LEVY-COSTA, R.B., SICHIERI, R., PONTES, N.S., MONTEIRO, C.A. Disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil: distribuição e evolução (1974-2003). Rev Saúde Pública 2005; 39(4): 530-540.

LIFSON, N., GORDON, G.B., MCCLINTOCK, R. Measurement of total carbon dioxide production by means of D218O. J Appl Physiol 1955; 7(6): 704-710.

LIVINGSTONE, M.B., BLACK, A.E. Markers of the validity of reported energy intake. J Nutr 2003;133(Suppl 3):S895–S920.

LONG, C.L., et al. Metabolic Response to Injury and Illness: Estimation of Energy and Protein Needs. J Parenter Enteral Nutr 1979; 3:452-456.

MARCHINI, J.S.; FETT, C.A.; FETT, W.C.; SUEN, V.M.M. Calorimetria: aplicações práticas e considerações críticas. Fitness & Performance Journal, 2005; 4(2): 90-96.

MARCHINI, J.S., SUEN, V.M.M., DUTRA-de-OLIVEIRA, J.E. Balanço Energético no Homem. In: Marchini JS, Dutra-de-Oliveira JE. Ciências Nutricionais. São Paulo: Sarvier, 1998.

MATTES, R.D., BORMANN, L.A. Reduced dietary underrecording with concurrent tracking of hunger. J Am Diet Assoc 2001; 101(5): 578 -579.

MONTEIRO, I., ALMEIDA, M.D.V. Gordura alimentar e risco de acidente vascular cerebral isquêmico no norte de Portugal. Acta Med Port 2007; 20: 307-317.

National Research Council (NCR). Recommended Dietary Allowences. 10 ed. Washington, D.C., National Academy Press, 1989, 284p.

RENNIE, L.K., COWARD, A., JEBB, S.A. Estimating under-reporting of energy intake in dietary surveys using an individualised method. British Journal of Nutrition 2007; 97, 1169–1176.

RIBEIRO, A.C., et al. Validação de um questionário de freqüência de consumo alimentar para população adulta. Rev Nutr 2006; 19(5): 553-562.

SALLES-COSTA, R., ANTUNES, M.M.L., Mello, M.A., SICHIERI, R. Comparação de dois programas computacionais utilizados na estimativa do consumo alimentar de crianças. Rev Bras Epidemol 2007; 10(2): 267-275.

SALVO, V.L.M.A., GIMENO, S.G.A. Reprodutibilidade e validade do Questionário de freqüência de consumo de alimentos. Rev Saúde Públ 2002; 36(4): 505-512.

SARTORELLI, D.S., FLROINDO, A.A., CARDOSO, M.A. Necessidade de energia e avaliação do gasto energético. Capítulo 4 p. 56-77. In: CARDOSO, M. A. Nutrição Humana. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. 345p.

SCAGLIUSI, F.B., LANCHA JÚNIOR, A.H. Subnotificação da ingestão Energética na avaliação do consumo alimentar. Rev Nutr 2003; 16(4): 471-481.

SCAGLIUSI, F.B. Validade das estimativas de ingestão energética de três métodos de avaliação do consumo alimentar, em relação à água duplamente marcada [tese]. São Paulo: Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo, 2007. 119

SCAGLIUSI, F.B., LANCHA JUNIOR, A.H. Estudo do gasto energético por meio da água duplamente marcada: fundamentos, utilização e aplicações. Rev Nutr 2005; 18(4): 541-551.

SACHAEFER, E.J., et al. Lack of efficacy of a food frequency questionnarire in assessing dietary macronutrient intakes in subjects consuming diets of know composition. Am J Clin Nutr 2000; 71(3): 746-751.

SCHOELLER, D.A., BANDINI, L.G., DIETZ, W.H. Innacuracies in self-reported intake identified by comparison with the doubly labelled water method. Can J Physiol Pharmacol 1990; 68(7): 941-949.

SCHNEIDER, P., MEYER, F. As equações de predição da taxa metabólica basal são apropriadas para adolescentes com sobrepeso e obesidade? Rev Bras Med Esporte 2005; 11(3): 193-196.

SILVA, E.N. Pesquisa de orçamentos familiares – características gerais. In: Consumo alimentar: as grandes bases de informação. Simpósio. São Paulo, Instituto Danone, 2000. 80p.

SLATER, B., PHILIPPI, S.T., MARCHIONI, D.M.L., FISBERG, R.M. Validação de Questionários de Freqüência Alimentar – QFA: considerações metodológicas. Rev. Bras. Epidemiol 2003; 6(3): 200-208.

SICHIERI, R., EVERHART, J.E. Validity of a brazilian food frequency questionnaire against dietary recalls and estimated energy intake. Nutr Res 1998; 18(10): 1649-1659.

PADOVANI, R.M., AMAYA-FARFÁN, J., COLUGNATI, F.A.B., DOMENE, S.M.A.
Dietary reference intakes: aplicabilidade das tabelas em estudos nutricionais. Rev. Nutr 2006; 19(6): 741-760.

VASCONCELOS, F.A.G. Avaliação Nutricional de Coletividades. Santa Catarina: UFSC, 2000. p.123.

VILLAR, B.S. Desenvolvimento e validação de um questionário semi-quantitativo de freqüência alimentar para adolescentes [tese]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, 2001.

WAHRLICH, V., ANJOS, L.A. Aspectos históricos e metodológicos da medição e estimativa da taxa metabólica basal: uma revisão da literatura. Cad. de Saúde Públ 2001; 17(4): 801-817.

WILLET, W.C. Food frequency methods. In: Willett WC. Nutritional Epidemiology. New York: Oxford University Press 1998:74-100.

WEIR, J.B. New methods for calculating metabolic rate with special references to protein metabolism. J Physiol 1949;109:1-9.

YOKOO, E.M., et al. Proposta metodológica para o módulo de consumo alimentar pessoal na pesquisa brasileira de orçamentos familiares. Rev Nutr 2008; 21(6): 767-776.

*Bases de dados: Pubmed; Scielo; Medline e Lilacs.

 

Coloque essa calculadora em seu site

author: admin

Comment
0

Leave a reply